O Portal do Geólogo

O Mistério da Barragem de Brumadinho

por Pedro Jacobi



Na sexta-feira dia 25 de janeiro, as 13:27 horas rompeu a barragem de rejeitos da Mineradora Vale, na Mina do Córrego do Feijão.

Estava concretizado mais um mega acidente envolvendo uma barragem de rejeitos de mineração. Neste caso o desastre destruiu, em minutos, centenas de vidas, propriedades, quilômetros quadrados de campos e matas e, naturalmente, a reputação da maior empresa de mineração do Brasil.

A Vale, reincidente, tentou, como sempre, minimizar o impacto que a lama havia causado. No entanto, o Desastre de Brumadinho, ao contrário de Mariana há três anos em outra mina da mesma Vale, terá um impacto maior e mais profundo que qualquer outro acidente similar na história do Brasil.

Existem dezenas de mortos e centenas de desaparecidos que clamam por justiça.
E, pelo que já estamos vendo, a justiça vai chegar, bem antes do que costuma. Mas, o importante não é a velocidade da justiça, mas sim a qualidade da investigação. Temos que punir os culpados, só os culpados.


As perguntas que irão ajudar nesta busca por justiça passam por:

• Como uma barragem de rejeitos, abandonada, seca e estabilizada se rompe causando uma onda arrasadora de lama que mata e destrói?
• O que causou essa instabilidade?
• De onde veio a água necessária para liquefazer o rejeito?
• Por que as inspeções feitas poucos meses atrás não constataram o perigo iminente?
• A mineradora Vale estava reprocessando os rejeitos na época do rompimento?

Por incrível que pareça a resposta não parece ser assim tão simples.

Veja, abaixo as imagens da barragem antes e depois do acidente. Elas contam uma história.

Barragem antes do rompimento
 
Barragem depois do rompimento
 
Na imagem de 28 de julho de 2018 o que se vê é uma barragem seca, íntegra e totalmente estabilizada. Não se percebe nenhuma rachadura nas paredes e, mais ainda, não existem sinais de encharcamento e infiltração de água. A superfície está parcialmente coberta por vegetação e não se percebe nenhum lago de água remanescente o que atesta, mais uma vez, que a barragem e os seus 14 milhões de metros cúbicos de rejeito, estavam secos nesta época.

Um mês antes desta imagem, em junho de 2018, os engenheiros da Tüv Süd Brasil, contratada pela Vale para verificar a integridade da barragem, fizeram um laudo de que a barragem não tinha risco de rompimento. Hoje estes engenheiros foram presos. Eles estão sendo acusados de responsabilidade criminal pelo rompimento da barragem.
É óbvio, para qualquer um que tenha um mínimo conhecimento do assunto, que as pessoas que assinaram o laudo de junho de 2018 não podem ser responsabilizadas por este laudo.

Em julho de 2018 o que se vê claramente é que a barragem estava íntegra.

Já na segunda imagem do dia 25 de janeiro de 2019, o que se vê é o caos. A barragem rompeu deixando um rastro de destruição e morte: e muita lama.
Nesta imagem percebe-se, de forma clara e incontestável, que a quantidade de água misturada ao rejeito é simplesmente enorme. Como explicar essa quantidade de água em uma barragem em descomissionamento?

   De onde veio esta água?

Da chuva? Ou será que ela foi introduzida pela mineradora para que o rejeito pudesse ser bombeado e reprocessado?

É aqui que começam as conjeturas e as teorias da conspiração. Mas, seja qual for a explicação, é óbvio que um fator decisivo foi introduzido nesta equação causando o acidente.

Sabemos que para uma barragem romper é necessário uma gigantesca pressão hidrostática aliada a falhas estruturais como rachaduras e infiltrações o que leva ao súbito colapso dos diques de contenção.

Nesta equação o percentual de água da lama é o parâmetro mais importante e determinante. Sem água não há pressão hidrostática e não há viscosidade para que a lama possa fluir como um líquido atingindo grandes velocidades e viajando grandes distâncias.

Sem a água não teríamos as mortes.

O que sabemos é pouco, mas alguns entrevistados pela mídia falam em "trincas" que "todo mundo sabia". Me informaram que a Vale estava "começando a lavrar" os rejeitos e que ela "havia recebido uma licença há um mês". Outros dizem que em dezembro, a Vale recebeu as licenças para reprocessar os rejeitos dessa barragem. Isso pode significar que existia uma atividade recente de lavra que pode ter, de alguma forma, afetado a instabilidade da barragem causando o rompimento.

A verdade?

Essa talvez venha à tona ao longo das investigações.

Ou talvez, como é comum em casos semelhantes, nunca saberemos a verdade...

 






22568
 
12.000 ANOS DE ABANDONO um livro de Pedro Jacobi

Você conhece as descobertas arqueológicas mais extraordinárias da pré-história do Brasil?



Você sabia que há milhares de anos um grupo de paleoíndios, desconhecido, fez as maiores obras de aquicultura da história da humanidade — no interior da Amazônia?
Com o avanço do desmatamento e com o auxílio da filtragem digital em imagens de satélites, descobri nada menos do que 1.200 belíssimas construções milenares, no meio da Amazônia — totalmente inéditas.
São obras pré-históricas, algumas datadas em 6.000 anos, incrivelmente complexas e avançadas.


Se você gosta de descobertas inéditas da Arqueologia aqui no Brasil não deixe de ver esse livro.
É inédito e não é ficção! Aproveite o preço promocional de apenas R$24,99.

Clique aqui!

O Portal do Geólogo