O Portal do Geólogo
21/11/2019 08:44:46

Lama da Samarco: somente um desastre ou uma oportunidade econômica?



Publicado em: 13/11/2015 14:39:00

A barragem rompeu, a catástrofe se espalha ao longo do Vale do Rio Doce deixando como herança dezenas de milhões de metros cúbicos de lama ferruginosa. Uma lama que vai matar o rio, sua flora e fauna e que deverá inviabilizar o cultivo nas áreas afetadas.

A pergunta proativa que devemos fazer é: o que fazer com essa lama?

Remover e estocar ou será que essa lama, ao invés de uma maldição, não pode ser o início de uma atividade econômica de grande impacto positivo na população atingida?

Existem formas de transformar esta lama em riquezas?

A resposta é sim!

Rejeitos de minas de minério de ferro vêm sendo objeto de estudos em vários lugares do mundo e podem ser usados como matéria-prima de vários produtos industriais, alguns nobres como veremos abaixo.

Na China os rejeitos de minas de minério de ferro estão sendo usados, com sucesso, em concretos de ultra-alta performance os UHPC. Os chineses chegaram a conclusão que a lama dos rejeitos na proporção de 40% melhoram as propriedades físicas do concreto aumentando a flexibilidade dos mesmos.

Na Nigéria resultados altamente positivos foram obtidos com rejeitos de 20% de ferro misturados ao concreto.

Vários estudos sobre o uso de rejeitos de minério de ferro em concreto foram feitos e publicados no International Journal of Research in Engineering and Technology. Estes estudos concluíram que o concreto aumenta sua resistência à compressão e flexão.

Os indianos chegaram às mesmas conclusões recomendando o uso de lama ferruginosa nos concretos.

Além do concreto existem várias outras aplicações que usam a lama ferruginosa.

Um estudo feito na Universidade Federal do Mato Grosso por Bertocini e Aristimunho, mostra que a substituição da areia por pó de lama de rejeito seca (20%) aumenta as propriedades mecânicas do cimento Portland.

Estes pesquisadores também chegaram à conclusão que a substituição da areia entre 60 a 100% pode ser utilizada vantajosamente na construção de pisos e pavimentos.

O uso da lama ferruginosa na indústria cerâmica, na construção de telhas, lajotas e tijolos foi estudado em muitos laboratórios.

Tijolos de lama com silicato de sódio apresentaram desempenhos ótimos podendo ser comprimidos a 50,35Mpa, o que os torna superiores ao padrão internacional. Tudo isso com uma redução de custo de 40%.

O que se vê é que existem inúmeros estudos científicos, feitos em universidades e laboratórios certificados que demonstram sem sombra de dúvida que os rejeitos e a lama das barragens podem ser utilizados economicamente.

Em outras palavras é possível reverter o quadro de desgraça que assola o Vale do Rio Doce e iniciar uma atividade industrial econômica usando a lama como matéria prima.

Aquelas margens cobertas por metros de uma lama estéril poderão ser lavradas produzindo produtos de grande valor que irão enriquecer os habitantes dos locais atingidos.

Portanto fica aqui a nossa sugestão sobre o assunto, que deverá revolucionar a região e transformar uma desgraça em uma oportunidade:

• Criar um laboratório para estudos de caracterização e uso das milhões de toneladas de lama depositadas em Mariana. Este laboratório deve ser financiado pela Samarco ou pelo dinheiro apreendido da mineradora e pode funcionar em convênio com uma Universidade de Minas Gerais que tenha know-how na indústria cerâmica e cimenteira.

• Criar escola técnica para que os jovens locais possam desenvolver um conhecimento de como operar as indústrias a serem implantadas.

• Financiar indústrias cerâmicas e cimenteiras, (com o dinheiro de multas da Samarco) que atuem ao longo das margens devastadas onde existem grandes acumulações da lama matéria-prima. Preferencialmente o lucro destas indústrias deverá ser revertido às populações atingidas e à recuperação do meio ambiente.

• Criar um selo verde que irá caracterizar todos os produtos derivados da lavra e aproveitamento da lama de Mariana para que o consumidor saiba que está comprando um produto que está despoluindo.

• Isentar de impostos todos os produtos advindos destas indústrias.



Governantes de Minas, pensem nisso como uma oportunidade de mudar a vida de seus cidadãos e mitigar, pelo menos um pouco, as imensas perdas que estes estão sofrendo.




Autor:   Pedro Jacobi - O Portal do Geólogo

  

 


editoriais agua geoambiente geologia    35272
12.000 ANOS DE ABANDONO  um livro de Pedro Jacobi

Caro usuário do Portal do Geólogo
Se você gosta de descobertas arqueológicas inéditas no meio da Amazônia vai gostar do livro que estou lançando. É um não ficção sobre uma pesquisa real que estou fazendo.

Com o avanço do desmatamento e com o auxílio da filtragem digital em imagens de satélites, descobri nada menos do que 1.200 belíssimas construções milenares, no meio da Amazônia — totalmente inéditas.

São obras pré-históricas, algumas datadas em 6.000 anos, incrivelmente complexas e avançadas — as maiores obras de aquicultura da pré-história que a humanidade já viu.
Neste livro você se surpreenderá com essas construções monumentais, grandiosas e únicas, feitas por aqueles que foram os primeiros arquitetos e engenheiros do Brasil.
Trata-se de importante descoberta arqueológica que vai valorizar um povo sem nome e sem história. Um povo relegado a um plano inferior e menosprezado pela maioria dos cientistas e pesquisadores.

Dele quase nada sabemos. Qual é a sua etnia, de onde veio, quanto tempo habitou o Brasil e que língua falava são pontos a debater.
No entanto o seu legado mostra que ele era: muito mais inteligente, complexo e tecnológico que jamais poderíamos imaginar.
Foram eles que realmente descobriram e colonizaram a Amazônia e uma boa parte do Brasil.
E, misteriosamente, depois de uma vida autossustentável com milhares de anos de uma história cheia de realizações eles simplesmente desapareceram — sem deixar rastros.
Para onde foram?

Compre agora!
O livro, um eBook, só está à venda na Amazon. Aproveite o preço promocional!


Jacobi Consultoria
Minerador, quer negociar a sua área, ganhar dinheiro com a mineração, atrair sócios estrangeiros ou pesquisar os minérios em sua área? Por que esperar mais?

Só para você: veja as matérias que selecionamos sobre o assunto:

Mineração: quem vai tapar os buracos amanhã? 22/7

O dilema da Vale 20/6

Samarco, um caso mal resolvido 14/6

Samarco: quatro meses sem ela 15/3

Caso Samarco: BHP está sendo processada nos Estados Unidos, Vale será a próxima 26/2

Vale declara prejuízo de R$44,2 bilhões em 2015 25/2

Minério de ferro em alta, mas Vale continua em queda afetada pelos efeitos Samarco e Brasil 24/2

Vale em cheque! Porto de Tubarão fechado 25/1

O efeito Samarco: Minas Gerais em crise 17/1

Samarco: a hora das responsabilidades 14/1

Vale busca financiamentos para fazer frente à falta de liquidez 12/1

Justiça congela ativos da BHP e Vale no Brasil 22/12

Samarco, Vale e BHP se esquivam, mas justiça aperta o cerco 11/12

O fim da mineração? 3/12

O Portal do Geólogo

Geologia e Mineração contadas por quem entende

Desde 27/3/2003

Não entendeu a palavra?

Pesquise o termo técnico!




Pesquise no universo do Portal do Geólogo!

Digite uma palavra na caixa abaixo e estará pesquisando centenas de milhares de matérias armazenadas no nosso site.

 

 

palavra com mais de 2 letras
O Portal do Geólogo    Editor: Geólogo Pedro Jacobi