O Portal do Geólogo
17/11/2019 20:22:08

Ouro: cortar custos ou...



Publicado em: 2/10/2015 12:15:00

Na luta pela sobrevivência as mineradoras de ouro estão tendo que enfrentar os seus custos de frente.

É isso ou simplesmente fechar as portas.

Até pouco tempo atrás a maioria das mineradoras apresentavam os seus AISC (all-in sustaining costs- o somatório de todos os custos, impostos, manutenções até o fechamento de mina necessários para a produção de uma onça de ouro) bem acima de US$1.200.

Com a queda dos preços do ouro desde setembro de 2011 quando o metal ultrapassou a barreira dos US$1.900 por onça a maioria destas empresas viram os seus lucros evaporar e, algumas, aquelas com AISC muito elevado, entraram no vermelho.

Desde então um dos principais focos é o da redução de custos.

O mais interessante é que quase todas as grandes estão conseguindo milagres.

A gigante Barrick, a maior produtora de ouro do mundo perdeu 40% do seu valor, somente em 2015. Este derretimento da mineradora se deve a queda dos preços do ouro e, principalmente, ao seu débito de US$3 bilhões.

A Barrick não está inerte em frente a crise. Ela está fazendo o dever de casa e vende ativos de porte, ao mesmo tempo em que faz joint ventures, reduz o débito em US$750 milhões em 2015 e, fundamentalmente diminui o seu AISC.

A Barrick está combatendo os custos religiosamente, conseguindo um AISC relativamente baixo, de US$860/oz, que a deixa bem mais competitiva.

Os acionistas estão começando a ficar satisfeitos com as medidas adotadas e os preços estão, de novo em ascendência.

Já a Kinross Gold não apresenta o mesmo colchão de proteção. A mineradora teve um prejuízo líquido de US$83,2 milhões no segundo trimestre de 2015 e viu as suas entradas serem reduzidas em 17,2% na comparação anual.

A sua redução do AISC não é tão substancial como a da Barrick.

A Kinross está tentando baixar o seu AISC médio de $1,000-$1,100 para $975-$1,025.

Entretanto, no último trimestre, o AISC ficou em US$1.011/onça. Uma redução modesta que está ameaçando os lucros futuros da empresa em um cenário de baixas.

Do outro lado mineradoras como a NovaGold Resources apresentam performances acima da média, mostrando que é possível exceder as expectativas. O AISC de sua principal mina de ouro, a Donlin , atingiu US$735/onça o que deixa a mineradora sem grandes ameaças mesmo a preços deprimidos de US$1.130/oz.

Mas nem só de custo vive uma estratégia de guerra.

Algumas mineradoras, as mais competentes, estão criando novos cenários onde irão lavrar minérios de mais alto teor, aumentando assim o valor da tonelada lavrada e contornando, mais uma vez, um cenário de preço do ouro deprimido que ninguém sabe quanto tempo irá durar...




Autor:   Pedro Jacobi - O Portal do Geólogo

  

 


mercados minex preciosos geojr    1
12.000 ANOS DE ABANDONO  um livro de Pedro Jacobi

Caro usuário do Portal do Geólogo
Se você gosta de descobertas arqueológicas inéditas no meio da Amazônia vai gostar do livro que estou lançando. É um não ficção sobre uma pesquisa real que estou fazendo.

Com o avanço do desmatamento e com o auxílio da filtragem digital em imagens de satélites, descobri nada menos do que 1.200 belíssimas construções milenares, no meio da Amazônia — totalmente inéditas.

São obras pré-históricas, algumas datadas em 6.000 anos, incrivelmente complexas e avançadas — as maiores obras de aquicultura da pré-história que a humanidade já viu.
Neste livro você se surpreenderá com essas construções monumentais, grandiosas e únicas, feitas por aqueles que foram os primeiros arquitetos e engenheiros do Brasil.
Trata-se de importante descoberta arqueológica que vai valorizar um povo sem nome e sem história. Um povo relegado a um plano inferior e menosprezado pela maioria dos cientistas e pesquisadores.

Dele quase nada sabemos. Qual é a sua etnia, de onde veio, quanto tempo habitou o Brasil e que língua falava são pontos a debater.
No entanto o seu legado mostra que ele era: muito mais inteligente, complexo e tecnológico que jamais poderíamos imaginar.
Foram eles que realmente descobriram e colonizaram a Amazônia e uma boa parte do Brasil.
E, misteriosamente, depois de uma vida autossustentável com milhares de anos de uma história cheia de realizações eles simplesmente desapareceram — sem deixar rastros.
Para onde foram?

Compre agora!
O livro, um eBook, só está à venda na Amazon. Aproveite o preço promocional!


Jacobi Consultoria
Minerador, quer negociar a sua área, ganhar dinheiro com a mineração, atrair sócios estrangeiros ou pesquisar os minérios em sua área? Por que esperar mais?

Só para você: veja as matérias que selecionamos sobre o assunto:

Mineração: as melhores apostas de 2016 20/1

S11D, o sonho da Vale, entra em produção 18/1

Exploração mineral: por que investir em zinco? 17/1

Mineração: adicionar valor ou morrer tentando... 3/9

Mineração: quem vai tapar os buracos amanhã? 22/7

Brazil Resources supera 480% no ano: analistas apostam em 1.900% ainda em 2016 18/7

Como a Barrick saiu do buraco e triplicou o seu valor de mercado 15/7

Brazil Resources: como comprar muito com tão pouco 15/6

Cientistas descobrem que adaga de Tutankamon é feita de meteorito 6/2

Ouro: fim de ciclo ou ainda tem mais? 17/5

A jazida de ouro de Posse recebe a Licença Preliminar 5/9

Hackers invadem computadores de grande mineradora de ouro e prometem liberar e-mails racistas e sexistas... 28/4

Commodities em alta conspiram a favor da mineração 20/4

O efeito impeachment: Petrobras bate todos os recordes e sobe 131% em 81 dias 15/4

O Portal do Geólogo

Geologia e Mineração contadas por quem entende

Desde 27/3/2003

Não entendeu a palavra?

Pesquise o termo técnico!




Pesquise no universo do Portal do Geólogo!

Digite uma palavra na caixa abaixo e estará pesquisando centenas de milhares de matérias armazenadas no nosso site.

 

 

palavra com mais de 2 letras
O Portal do Geólogo    Editor: Geólogo Pedro Jacobi