O Portal do Geólogo
9/12/2019 01:52:02

O excremento que mudou a geografia do mundo



Publicado em: 7/9/2015 16:35:00

Entre os vários legados que os Incas nos deixaram um dos mais impactantes e, mesmo assim, pouco conhecido é o do guano.

Os Incas já utilizavam o guano por mais de 1.000 anos antes da chegada dos conquistadores espanhóis.

O guano é um fertilizante natural riquíssimo em fosfato e nitrogênio, resultante da acumulação de excrementos e urina de pássaros e/ou morcegos ao longo de milhares de anos. Estudos mineralógicos indicam que o guano é fundamentalmente composto por minerais como a hidroxiapatita, apatita, variscita e crandalita.

Os fosfatos estão entre os fertilizantes mais importantes e eficientes e são usados intensivamente na agricultura, pecuária e nas indústrias químicas.

Os Incas sabiam da importância do guano que se acumulava em algumas ilhas como as Chincha, na costa do Peru.

Ilhas Chincha- lavra de Guano Essas três pequenas ilhas graníticas a pouco mais de 20km da costa abrigavam uma população gigantesca de pássaros cujos excrementos, ao longo de milhares de anos, formou uma espessa camada de guano que ultrapassava 45m.

Diziam os espanhóis que o cheiro dessas ilhas (foto) era tão intenso que afastava a maioria dos visitantes.

Nada crescia nas ilhas Chincha.

Mas os Incas sabiam muito bem o valor do guano lá depositado ao longo do tempo geológico.

Os espertos conquistadores espanhóis, em seus relatórios, discutiram o enorme valor que os dirigentes do Império Inca davam ao fertilizante. Segundo eles os acessos às ilhas era proibido e qualquer perturbação aos pássaros era punida com a morte.

Ilhas Chincha- lavra de Guano Somente em 1802 o naturalista e geólogo prussiano Alexander Von Humbolt (autorretrato 1815) iniciou uma pesquisa sobre as propriedades fertilizantes do guano, que atraiu a atenção mundial e detonou o famoso Boom do Guano.

Foi no século 19 que o boom se intensificou e os europeus invadiram as ilhas peruanas e do Caribe depredando quase todos os recursos de guano existentes na costa do Pacífico.

Fortunas foram feitas e a exploração do guano se propagou a todos os cantos da Terra.

Em 1828 um navegador americano descobriu uma ilha na costa da Namíbia coberta por “excrementos de pássaros”. A história foi contada em um livro e gerou uma nova corrida ao guano, tido, então, como o melhor fertilizante do mundo.

Em 1842 uma pequena expedição redescobriu a Ilha de Ichaboe na costa Sul-Africana. A notícia fez milhares de aventureiros se lançarem em busca do guano africano.

Um capitão inglês, Sir John Marshall, escreveu em seu diário o inferno que eram  as jazidas de guano africanas: “ imagine uma frota de 233 embarcações, algumas delas velhas e obsoletas, conduzidas por tripulações de bêbados e desqualificados, mais de 3.500 tripulantes da pior espécie...”

Em pouco tempo as ilhas africanas de Ichaboe e outras similares foram literalmente limpas de todo o guano.

Como era de se esperar a riqueza atraiu a atenção das potências e durante a Guerra do Pacífico (1879-1883) o Chile se apoderou de grande parte das jazidas peruanas de guano e salitre.

Em 1856, de olho na riqueza do guano, os americanos, em um ato imperialista clássico, promulgaram o Ato das Ilhas de Guano.

Através deste ato qualquer cidadão americano poderia se apoderar de qualquer ilha com jazimentos de guano em qualquer lugar do planeta...

Esta lei dava ao presidente americano o poder do uso de força militar para proteger os interesses destes americanos e, consequentemente, segurar as jazidas de guano.

Na época os Estados Unidos já importavam quase 800.000 toneladas de guano.

Foi através deste ato que os Estados Unidos “conquistaram” mais de 100 ilhas ao redor do globo, alterando completamente a geografia do planeta.

Algumas destas ilhas do Ato do Guano ainda continuam em litígio.




Autor:   Pedro Jacobi - O Portal do Geólogo

  

 


geologia descobertas minex vocesabia    6952
12.000 ANOS DE ABANDONO  um livro de Pedro Jacobi

Caro usuário do Portal do Geólogo
Se você gosta de descobertas arqueológicas inéditas no meio da Amazônia vai gostar do livro que estou lançando. É um não ficção sobre uma pesquisa real que estou fazendo.

Com o avanço do desmatamento e com o auxílio da filtragem digital em imagens de satélites, descobri nada menos do que 1.200 belíssimas construções milenares, no meio da Amazônia — totalmente inéditas.

São obras pré-históricas, algumas datadas em 6.000 anos, incrivelmente complexas e avançadas — as maiores obras de aquicultura da pré-história que a humanidade já viu.
Neste livro você se surpreenderá com essas construções monumentais, grandiosas e únicas, feitas por aqueles que foram os primeiros arquitetos e engenheiros do Brasil.
Trata-se de importante descoberta arqueológica que vai valorizar um povo sem nome e sem história. Um povo relegado a um plano inferior e menosprezado pela maioria dos cientistas e pesquisadores.

Dele quase nada sabemos. Qual é a sua etnia, de onde veio, quanto tempo habitou o Brasil e que língua falava são pontos a debater.
No entanto o seu legado mostra que ele era: muito mais inteligente, complexo e tecnológico que jamais poderíamos imaginar.
Foram eles que realmente descobriram e colonizaram a Amazônia e uma boa parte do Brasil.
E, misteriosamente, depois de uma vida autossustentável com milhares de anos de uma história cheia de realizações eles simplesmente desapareceram — sem deixar rastros.
Para onde foram?

Compre agora!
O livro, um eBook, só está à venda na Amazon. Aproveite o preço promocional!


Jacobi Consultoria
Minerador, quer negociar a sua área, ganhar dinheiro com a mineração, atrair sócios estrangeiros ou pesquisar os minérios em sua área? Por que esperar mais?

Só para você: veja as matérias que selecionamos sobre o assunto:

Ouro de Pontes e Lacerda: uma amostra clara de quanto o Brasil perde por pura incompetência 19/10

Canadense MBAC pode falir: causas judiciais somam mais de US$16,6 milhões 15/6

A contribuição da mineração no cotidiano de nossas vidas  16/3

Sem capital de giro MBAC paralisa Itafós 22/1

O Portal do Geólogo

Geologia e Mineração contadas por quem entende

Desde 27/3/2003

Não entendeu a palavra?

Pesquise o termo técnico!




Pesquise no universo do Portal do Geólogo!

Digite uma palavra na caixa abaixo e estará pesquisando centenas de milhares de matérias armazenadas no nosso site.

 

 

palavra com mais de 2 letras
O Portal do Geólogo    Editor: Geólogo Pedro Jacobi