O Portal do Geólogo
19/11/2019 05:13:38

O desastre da Samarco: perguntas a serem respondidas



Publicado em: 11/7/2015 18:50:00

Era quinta-feira e, sem nenhum aviso, uma enxurrada com dezenas de milhões de toneladas de lama ferruginosa arrasou a Vila de Bento Rodrigues, um distrito de Mariana/MG.

 Era o início de um desastre ambiental que deve se  tornar o maior que a região já viu: uma história que ainda está sendo contada.

Rompimento de barragens de rejeitos, infelizmente, ainda é um acidente comum a muitas mineradoras. Eles são, quase sempre, previsíveis e, consequentemente, podem ser evitados.

É para evita-los que as mineradoras devem investir milhões em obras de contenção, cálculos e obras de engenharia, barragens adicionais, em planos e contingenciamentos.

Mas, o que se viu em Bento Rodrigues, foi o fracasso total de todos os planos, se é que esses existiam.

A ruptura da barragem de rejeitos do Fundão com dezenas de milhões de toneladas de lama, ocasionou, em sequência, o rompimento de Santarém uma pequena barragem de contenção situada a 3.000 metros de distância (veja na imagem).

Com o rompimento do Fundão um gigantesco fluxo de lama e água desceu o vale, em alta velocidade, acelerado pelos 189 metros de diferença de nível (entre a barragem e a Vila de Bento Rodrigues) destruindo, no seu caminho, absolutamente tudo.

Bento Rodrigues, a 5.500 metros do Fundão, foi totalmente arrasada e os seus habitantes não receberam nenhum aviso da mineradora.

Como é possível que só existisse uma pequena barragem de contenção, a de Santarém, em uma cota 137 metros abaixo da gigantesca barragem do Fundão?

Será que essa pequena barragem poderia conter a energia de um fluxo de milhões de toneladas de lama acelerados ao longo de um percurso íngreme de 3.000 metros de distância?

Como sabemos a lama atravessou todas as barreiras, como era de se prever, sem tomar conhecimento.

Bento Rodrigues: o desastre

Como explicar a simples existência de Bento Rodrigues, incrustada em um vale plano aonde a diferença de nível entre as casas e o rio, que vem da barragem, é de apenas 3 metros?

Todos sabiam que na ocorrência de um rompimento a vila de Bento Rodrigues seria simplesmente varrida do mapa, como o foi. Segundo o estudo “Avaliando Minas: Índice de Sustentabilidade da Mineração”, apresentada por Maurício Boratto Viana, em 2012, na Universidade de Brasília (UNB), 68% das pessoas da comunidade tinham medo de um rompimento. Eles estavam certos.

Por que o vilarejo não foi totalmente relocado como deveria?

Redução de custos?

Por que a população de Bento Rodrigues não foi avisada no exato momento do rompimento da Barragem do Fundão? Com certeza existiram muitos minutos entre o acidente e a destruição da cidade e das vidas que ainda estão sendo contabilizadas.

Perguntas como estas deverão ser feitas ao longo dos próximos dias e semanas e terão que ser respondidas adequadamente pela Samarco.




Autor:   Pedro Jacobi - O Portal do Geólogo

  

 


editoriais geoambiente polemicos    8262
12.000 ANOS DE ABANDONO  um livro de Pedro Jacobi

Caro usuário do Portal do Geólogo
Se você gosta de descobertas arqueológicas inéditas no meio da Amazônia vai gostar do livro que estou lançando. É um não ficção sobre uma pesquisa real que estou fazendo.

Com o avanço do desmatamento e com o auxílio da filtragem digital em imagens de satélites, descobri nada menos do que 1.200 belíssimas construções milenares, no meio da Amazônia — totalmente inéditas.

São obras pré-históricas, algumas datadas em 6.000 anos, incrivelmente complexas e avançadas — as maiores obras de aquicultura da pré-história que a humanidade já viu.
Neste livro você se surpreenderá com essas construções monumentais, grandiosas e únicas, feitas por aqueles que foram os primeiros arquitetos e engenheiros do Brasil.
Trata-se de importante descoberta arqueológica que vai valorizar um povo sem nome e sem história. Um povo relegado a um plano inferior e menosprezado pela maioria dos cientistas e pesquisadores.

Dele quase nada sabemos. Qual é a sua etnia, de onde veio, quanto tempo habitou o Brasil e que língua falava são pontos a debater.
No entanto o seu legado mostra que ele era: muito mais inteligente, complexo e tecnológico que jamais poderíamos imaginar.
Foram eles que realmente descobriram e colonizaram a Amazônia e uma boa parte do Brasil.
E, misteriosamente, depois de uma vida autossustentável com milhares de anos de uma história cheia de realizações eles simplesmente desapareceram — sem deixar rastros.
Para onde foram?

Compre agora!
O livro, um eBook, só está à venda na Amazon. Aproveite o preço promocional!


Jacobi Consultoria
Minerador, quer negociar a sua área, ganhar dinheiro com a mineração, atrair sócios estrangeiros ou pesquisar os minérios em sua área? Por que esperar mais?

Só para você: veja as matérias que selecionamos sobre o assunto:

Ser Geólogo 6/8

Geologia é vida! 29/5

Filipinas em guerra pelo meio ambiente 1/8

Geólogo parabéns! 30/5

Assim não dá... 22/3

Samarco: quatro meses sem ela 15/3

Caso Samarco: BHP está sendo processada nos Estados Unidos, Vale será a próxima 26/2

Minério de ferro em alta, mas Vale continua em queda afetada pelos efeitos Samarco e Brasil 24/2

Uma ideia para 2016 que irá mudar definitivamente a sua vida 1/1

O fim da mineração? 3/12

Janot quer manter Onça Puma fechado 3/12

A lama da Samarco e o futuro do Rio Doce 26/11

O desastre da Samarco: mentiras, verdades e consequências 17/11

Lama da Samarco: somente um desastre ou uma oportunidade econômica? 13/11

O Portal do Geólogo

Geologia e Mineração contadas por quem entende

Desde 27/3/2003

Não entendeu a palavra?

Pesquise o termo técnico!




Pesquise no universo do Portal do Geólogo!

Digite uma palavra na caixa abaixo e estará pesquisando centenas de milhares de matérias armazenadas no nosso site.

 

 

palavra com mais de 2 letras
O Portal do Geólogo    Editor: Geólogo Pedro Jacobi