O Portal do Geólogo
17/11/2019 20:23:19

Guerra do minério de ferro: quem ganhou e quem perdeu em 2014?



Publicado em: 1/1/2015 16:23:00

O ano de 2014 se caracterizou pela queda dos preços do minério de ferro. A queda ininterrupta dos preços foi uma decorrência da guerra entre as três grandes BHP, Rio Tinto e Vale que aceleraram a produção criando um excesso de oferta de minério de alta qualidade e baixo preço. Nestas circunstâncias as mineradoras menos afortunadas, que produziam um minério de alto custo, não conseguiram sobreviver. Muitas minas foram fechadas, projetos em desenvolvimento paralisados e empresas começaram a quebrar. Para piorar a situação uma pequena desaceleração da economia chinesa exacerbou, ainda mais, a queda dos preços.

O minério de ferro despencou atingindo US$66,84 no dia 23 de dezembro, o pior preço em cinco anos.

A queda dos preços atingiram violentamente todas as empresas do setor inclusive as do triunvirato.

No meio das escaramuças até as gigantes foram atingidas tendo que provar do próprio veneno.

 No gráfico comparativo vê-se a situação, ao longo do ano de 2014, das quatro maiores produtoras de minério de ferro do mundo: a Vale, Rio Tinto, BHP e a Fortescue.

A Rio foi a que menos caiu (-15%), seguida pela BHP que amargou uma queda de 23%. Já a Vale, empresa que também tem um custo operacional baixo e deveria ter uma queda compatível com a sofrida pela Rio, surpreendeu e despencou 46%. A australiana Fortescue, que produz o minério mais caro entre as quatro (US$70/t), como era previsto teve a queda mais espetacular, de 53%.

Se os preços continuarem em queda ao longo de 2015, como prognosticam alguns analistas, a Fortescue irá simplesmente falir.

A ganhadora

Em 2014 a empresa que teve o menor prejuízo foi a Rio Tinto. A empresa fez de tudo para minimizar os danos e saiu, claramente, vencedora desta guerra.  A dominação da Rio Tinto pode ameaçar a posição de liderança da BHP.

A BHP poderia até ter um desempenho melhor, mas a forte queda nos preços do petróleo acabou puxando para baixo as ações da mineradora: daí a desvalorização de 23%.

A derrotada

No caso da Vale as ações refletem a percepção do mercado. A Vale está deixando de ser a queridinha das bolsas. A empresa que deveria ser a segunda maior, vem caindo desde o início de 2011, por quatro anos contínuos. Neste período ela perdeu nada mais nada menos do que 77,37%.

Uma empresa que tem um minério de ferro imbatível com a melhor qualidade e teor e custos operacionais baixíssimos,  não poderia ter uma performance tão ruim.

A Vale é, sem dúvida, a grande derrotada na guerra do minério de ferro.

2015

O que será do futuro? Poucos anos atrás a Vale era a preferida das bolsas e “o minério de ferro era ouro” conforme se apregoava.

Mesmo assim a Vale, com margens simplesmente gigantescas, conseguiu o inacreditável: perdeu o valor. E agora, quando o minério de ferro está em queda, o que vai ocorrer com a nossa Vale?

Felizmente parece existir uma luz no final deste túnel.

O mercado de 2014 foi tão impactante que a Índia deixou de exportar minério de ferro o que praticamente neutraliza o excesso de produção da Vale, Rio e BHP. Some-se a esse cenário o fato de que milhões de toneladas de minério de ferro nunca chegarão ao mercado graças à quebradeira geral, aos fechamentos de minas e projetos.

Existem vários pontos que irão afetar 2015 de forma positiva, entre estes o enorme crescimento do PIB Americano e Indiano.

O cenário macro econômico, com a China ainda crescendo a 7,3%, mostra que possivelmente 2015 não será um ano de excesso de oferta como se prevê.

Neste caso os preços devem voltar para o patamar de US$90-100/t e a Vale terá mais uma oportunidade para recuperar o muito que perdeu. 

Autor:   Pedro Jacobi - O Portal do Geólogo

  

 


editoriais ferrosos mercados polemicos    5335
12.000 ANOS DE ABANDONO  um livro de Pedro Jacobi

Caro usuário do Portal do Geólogo
Se você gosta de descobertas arqueológicas inéditas no meio da Amazônia vai gostar do livro que estou lançando. É um não ficção sobre uma pesquisa real que estou fazendo.

Com o avanço do desmatamento e com o auxílio da filtragem digital em imagens de satélites, descobri nada menos do que 1.200 belíssimas construções milenares, no meio da Amazônia — totalmente inéditas.

São obras pré-históricas, algumas datadas em 6.000 anos, incrivelmente complexas e avançadas — as maiores obras de aquicultura da pré-história que a humanidade já viu.
Neste livro você se surpreenderá com essas construções monumentais, grandiosas e únicas, feitas por aqueles que foram os primeiros arquitetos e engenheiros do Brasil.
Trata-se de importante descoberta arqueológica que vai valorizar um povo sem nome e sem história. Um povo relegado a um plano inferior e menosprezado pela maioria dos cientistas e pesquisadores.

Dele quase nada sabemos. Qual é a sua etnia, de onde veio, quanto tempo habitou o Brasil e que língua falava são pontos a debater.
No entanto o seu legado mostra que ele era: muito mais inteligente, complexo e tecnológico que jamais poderíamos imaginar.
Foram eles que realmente descobriram e colonizaram a Amazônia e uma boa parte do Brasil.
E, misteriosamente, depois de uma vida autossustentável com milhares de anos de uma história cheia de realizações eles simplesmente desapareceram — sem deixar rastros.
Para onde foram?

Compre agora!
O livro, um eBook, só está à venda na Amazon. Aproveite o preço promocional!


Jacobi Consultoria
Minerador, quer negociar a sua área, ganhar dinheiro com a mineração, atrair sócios estrangeiros ou pesquisar os minérios em sua área? Por que esperar mais?

Só para você: veja as matérias que selecionamos sobre o assunto:

S11D, o sonho da Vale, entra em produção 18/1

Exploração mineral: por que investir em zinco? 17/1

Bons ventos na mineração: o minério de ferro explode em 2017 16/1

Trump pode ser o catalizador de um novo boom na mineração 10/11

Efeito Trump: Minério de ferro em alta recorde 11/10

Mineração: adicionar valor ou morrer tentando... 3/9

Mineração: em quem apostar as fichas? 22/6

O dilema da Vale 20/6

Por que a Vale ainda é uma boa aposta, mesmo com uma dívida de 116 bilhões de reais? 6/7

Cientistas descobrem que adaga de Tutankamon é feita de meteorito 6/2

Vale: Murilo Ferreira na mira de Temer 6/2

Minério de ferro: economia em alta faz mineradoras americanas reabrirem antigas minas 31/5

Simandou: uma ameaça real ao domínio da Vale? 18/5

Estudo em meteoritos mostra que oxigênio era abundante na atmosfera terrestre primitiva 5/11

O Portal do Geólogo

Geologia e Mineração contadas por quem entende

Desde 27/3/2003

Não entendeu a palavra?

Pesquise o termo técnico!




Pesquise no universo do Portal do Geólogo!

Digite uma palavra na caixa abaixo e estará pesquisando centenas de milhares de matérias armazenadas no nosso site.

 

 

palavra com mais de 2 letras
O Portal do Geólogo    Editor: Geólogo Pedro Jacobi