O Portal do Geólogo
18/11/2019 22:00:26

A influência gravitacional nos terremotos



Publicado em: 26/10/2015 15:21:00

 


Por Pedro Jacobi


Nos últimos dias venho recebendo vários questionamentos de nossos usuários sobre os terremotos que parecem estar se intensificando. Muitos estão preocupados com o fato e querem saber se realmente existe uma maior incidência de terremotos e se o Brasil está, de alguma forma, em risco. Outros vão mais longe e querem saber se isso não é um presságio do fim do mundo...


O motivo do medo generalizado decorre do assustador terremoto de magnitude 8.4  na escala Richter, que ocorreu no dia 16 de setembro no Chile que para muitos é um sinal de que os sismos estão se intensificando.

Some-se a estes eventos as notícias de tsunamis, vulcões, aquecimento global e até mesmo dos pequenos sismos Brasileiros registrados recentemente no Nordeste e está configurado, para alguns, o cenário do fim do mundo.

A resposta que eu tenho, como um geólogo e estudioso do assunto é que terremotos são muito mais comuns do que a maioria das pessoas acredita e que estes acontecimentos náo caracterizam este cenário do Armagedon.


Veja os pontos abaixo e tire suas próprias conclusões:


A cada ano existem milhões de terremotos, de várias proporções, que afetam o nosso Planeta. A Terra é muito dinâmica e os movimentos ininterruptos das grandes placas tectônicas são os grandes causadores destes sismos.

Milhares de terremotos são contabilizados todos os dias, mas a maioria não são sentidos pelas pessoas (somente os acima de 2.0 são percebidos). No momento que escrevo este artigo um terremoto de 6.6 ocorreu a 80km da cidade de Fukushima na porção central do Japão. Não houve perdas humanas.


Sismos de grandes proporções, acima de 6.0, são mais raros, e quando próximos a cidades populosas, causam desastres, mortes e destruição.


Como a maioria da superfície terrestre é coberta por águas, gelo e por áreas despovoadas o número de sismos com perdas de vidas humanas é, relativamente, pequeno quando comparado ao número total de terremotos.


O que causa as grandes tragédias é a combinação dos seguintes fatos:

  • Magnitude do terremoto, medida na escala Richter. Trata-se de uma escala logarítmica: a cada ponto existe um multiplicador de 10. Ou seja: um terremoto de 8.0 é dez vezes mais forte do que um de 7.0.

  • Tipo de rocha afetada pelo terremoto. A devastação causada por um terremoto tem grande correlação com o tipo de rocha onde os prédios foram construídos. Se a rocha for sólida a tendência é de um menor número de problemas. Já no caso de construções sobre areias inconsolidadas, sedimentos aluvionares e deltaicos como foi o caso das áreas mais afetadas no terremoto de 1906 de S. Francisco (7.8), os efeitos são devastadores. Nestes casos é comum a liquefação do solo. Trata-se de um fenômeno onde os tremores induzem o solo rico em areias e água a se comportar como um líquido o que causa o afundamento dos prédios, pontes, viadutos, estradas etc... causando um grande número de mortes e prejuízos materiais.

  • Proximidade e profundidade do epicentro. A proximidade do epicentro de um terremoto das zonas urbanas é um dos principais motivos de destruição. O terremoto do Haiti, de 7.0, teve o seu epicentro a poucos quilômetros da Capital Port-au-Prince o que causou as grandes perdas de vidas, ao contrário do Chile onde o epicentro era profundo e localizado mais de 300km de Santiago.

  • Tipos de ondas de propagação: as ondas mais destrutivas de um terremoto são as denominadas ondas superficiais que trafegam na superfície e são relativamente mais lentas. Devido a sua baixa frequência essas ondas tem longa duração e maior amplitude causando as maiores destruições , danos e mortes. Ondas superficiais são análogas as ondas da água.  A propagação das ondas sísmicas varia com a densidade das rochas afetadas sendo elevada no manto (>13Km/s) e menores na crosta, onde variam entre 3 a 8km/s. É por intermédio de cálculos baseados na velocidade de propagação destas ondas que são calculadas as distâncias e profundidades dos epicentros.

  • Qualidade das construções afetadas: um dos pontos de maior influência no número de vítimas é o que se refere à qualidade das construções atingidas pelo terremoto. Observa-se que os terremotos que afetam o interior de países pobres como a China são, sempre, os mais devastadores. Esta devastação se relaciona, principalmente, a baixa qualidade das construções afetadas. A medida que novas normas de construção foram criadas nos países mais afetados por terremotos o número de mortes diminuiu consideravelmente. O Japão, após o sismo de Kobe, é o que mais leva a sério o assunto investindo enormes somas tanto na construção de novos prédios e obras de engenharia como nos planos e estratégias de resgate e salvamento de vítimas em áreas atingidas.


O terremoto com o maior número de vítimas ocorreu na China em Shaanxi em 23 de janeiro de 1556. O número de mortos deve ter superado o milhão. Foram contabilizadas 830.000 mortes e a destruição atingiu mais de 400km. Apesar da gigantesca proporção o USGS calcula que o sismo teve uma magnitude entre 8 e 9 na escala Richter. A incidência de ondas superficiais sobre construções antigas e despreparadas para enfrentar um terremoto desta magnitude foi o fator determinante na tragédia.

Já o terremoto de maior magnitude medida, ocorreu em 22 de maio de 1960 no Chile próximo a Valdívia a sul de Santiago, não muito distante deste terremoto de 27 de fevereiro. O terremoto de Valdívia teve sua magnitude medida em 9.5 na escala Richter e ocasionou a morte de mais de 6.000 pessoas, um número baixo se comparado à magnitude. O tsunami gerado na costa do Chile atravessou o oceano matando no Hawaii e no Japão a dezenas de milhares de quilômetros.

A influência das forças gravitacionais da Lua e do Sol em terremotos:


Um ponto que me parece nunca ter sido adequadamente discutido, na literatura técnica , é a correlação entre terremotos e o efeito gravitacional da Lua e do Sol sobre a Terra. Todos sabemos que a conjunção Lua-Sol tem enormes influências gravitacionais no nosso planeta causando marés de grandes proporções e, as menos conhecidas marés terrestres.


Por incrível que pareça a crosta terrestre, assim como os oceanos, também  é afetada pela força gravitacional da lua em conjunção com o Sol: a isso se chama maré terrestre. No equador a crosta pode ser deslocada 55cm pela influência gravitacional da Lua e Sol.

Trata-se de uma força significativa que, no nosso entender,  deve facilitar a ruptura de falhas ativas que causam os terremotos.


A força gravitacional causada pela massa do Sol e da Lua é enorme, elevando o nível dos mares a mais de 15 metros em certas regiões, como em Burntcoat Head no Canadá, durante a Lua nova, cheia e nos equinócios (Março e Setembro) quando o Sol cruza o plano equatorial terrestre.

Não podemos desprezar a imensa atração gravitacional no fenômeno dos terremotos.


No meu entender sempre me pareceu lógico que existisse uma correlação direta entre terremotos e a força gravitacional destes astros.


Desta forma, na tabela abaixo, é possível ver os 109 terremotos mais destrutivos desde 1900, juntamente com dados importantes como a localização, magnitude, número de mortes e, novidade, a fase da lua quando o terremoto ocorreu.


Surpresa!!


Este estudo preliminar que fiz mostra que a grande maioria dos terremotos ocorreram durante o equinócio (Março e Setembro) quando a Lua era Nova (35%)  ou Cheia (29%). Os números mostram que 64% dos 100 terremotos mais mortais desde 1900 estão relacionados a Luas nova e cheia. Trata-se de um número matematicamente significativo que corrobora a influência gravitacional como um fator importante na previsão dos terremotos.


O mês de março, onde ocorre o equinócio e as maiores marés,  é o que teve o maior número de grandes terremotos, 15, sendo que o dia 28 de março teve 3 grandes terremotos com vítimas.


Coincidência?

Acredito que não. Trata-se de uma ""ajuda extra"" causada pela atração gravitacional sobre a crosta facilitando o movimento das falhas e dos terremotos. Quando uma falha está próxima do rompimento a atração gravitacional criada por uma importante conjunção astral é o "catalizador" que faltava para que o terremoto venha a ocorrer. Como sabemos pelas leis da física é necessário uma grande energia para tirar um corpo do repouso. Mas, depois que esse corpo está em movimento a energia necessária para mantê-lo em movimento é muitas vezes menor.

Os terremotos vão continuar a existir enquanto houver placas tectônicas em movimento ou, em outras palavras, enquanto houver um gradiente de temperatura na Terra. Ou seja...por muito, muito tempo.

Quando a Terra for um planeta morto, gelado, com a superfície completamente aplainada pela erosão, somente então os terremotos deixarão de existir.

Data Fase da Lua Lugar  Mortes  Magnitude
28/12/1908 0 Messina & Reggio Calabria, Italy             70 7.2
26/12/2004 cheia  Sumatra, Indonesia   230.210 8.9
26/12/1939 cheia Erzincan, Turkey           327 7.8
25/12/1932 nova Gansu, China             70 7.6
20/12/1942 cheia Erbaa, Tokat, Turkey        3.000 7,0
16/12/1920 0 Ningxia-Gansu, China           200 8.6
13/12/1982 nova Dhamar, North Yemen         2.000 6,0
12/12/1946 0  Kinki-Shikoku  Japan           133 8.1
07/12/1944 0  Kinki  Japan        1.223 8.1
26/11/1943 nova Ladik, Samsun, Turkey        4.000 7.4
24/11/1976 nova Muradiye, Van, Turkey        3.840 7.5
23/11/1980 cheia Irpinia, Southern Italy        2.735 6.8
12/11/1999 nova Düzce, Turkey           894 7.2
10/11/1922 0 Atacama Region, Chile           100 8.5
30/10/1983 0 Erzurum, Turkey        1.155 6.9
28/10/2008 nova  Pakistan           215 6.4
11/10/1918 0 Puerto Rico, USA           116 7.5
08/10/2005 0 Kashmir, Pakistan             79 7.6
05/10/2008 0 Eastern Kyrgyzstan             75 6.6
04/10/1914 nova Burdur, Turkey           300 6.9
01/10/1995 0 Dinar, Afyon, Turkey             90 6.1
30/09/2009 0  Sumatra, Indonesia        1.115 7.6
29/09/1993 0 Latur-Killari, India        9.748 6.2
29/09/2009 0 Samoa Islands           189 8.1
19/09/1985 nova Michoacán, Mexico             95 8.0
08/09/1905 cheia Calabria, Italy        5.000 7.9
06/09/1975 nova Lice, Diyarbakır, Turkey        2.385 6.6
02/09/1992 0 Nicaragua           116 7.7
02/09/2009 cheia Java, Indonesia             79 7.0
01/09/1923 0   Great Kantō            143 7.9
31/08/1970 nova Iran     12.001 7.4
19/08/1966 nova Varto, Muş, Turkey        2.396 6.7
17/08/1999 0 İzmit, Turkey     17.118 7.6
17/08/1949 0 Karlıova, Bingöl, Turkey           450 6.8
15/08/1950 nova Assam-Tibet        1.526 8.6
15/08/2007 nova  Chincha Alta, Peru           519 8,0
09/08/1912 nova Mürefte Tekirdağ, Turkey           216 7.3
08/08/1953 nova Kefalonia, Greece           476 7.2
04/08/1946 0 Dominican Republic           100 8.0
29/07/1967 0 Caracas, Venezuela           236 6.5
27/07/1976 nova Tangshan, China   242.419 7.6
26/07/1963 0 Skopje, Republic of Macedonia        1.100 6.1
22/07/1967 cheia Mudurnu, Adapazarı, Turkey             89 7.2
17/07/1998 0 New Guinea, Papua New Guinea        2.183 7,0
17/07/2006 0  Indonesia           665 7.7
16/07/1990 cheia Philippines        1.621 7.9
09/07/1997 nova Cariaco, Venezuela             81 6.9
08/07/1971 cheia Illapel, Chile             85 7.5
27/06/1998 nova Ceyhan, Adana, Turkey           146 6.2
23/06/2001 nova  Peru             75 8.4
22/06/2002 cheia Qazvin Province, Iran           261 6.5
20/06/1943 cheia Hendek, Adapazarı, Turkey           336 6.6
31/05/1970 0 Peru             66 7.9
27/05/2006 nova Java, Indonesia        6.234 6.3
22/05/1971 nova Bingol, Turkey        1.000 6.9
21/05/2003 0 Boumerdès, Algeria        2.266 6.8
12/05/2008 0 Sichuan  China     69.197 7.9
06/05/1976 0 Friuli-Venezia Giulia, Italy           989 6.4
01/05/2003 nova Bingöl, Turkey           177 6.4
29/04/1903 nova Malazgirt, Muş, Turkey           600 6.7
25/04/1957 nova Fethiye, Muğla, Turkey             67 7.1
21/04/1935 0 Shinchiku-Taichū, Taiwan        3.279 7.1
19/04/1938 cheia Kırşehir, Turkey           160 6.6
15/04/1979 nova Herceg Novi, Dubrovnik, Montenegro, Croatia           136 7,0
06/04/2009 cheia Near L'Aquila, Abruzzo, Italy           294 6.3
01/04/1946 nova Unimak Island, Alaska, USA           165 7.3
31/03/1983 cheia Popayan, Cauca Department, Colombia           197 5.5
28/03/2005 cheia Nias region, Indonesia        1.303 8.6
28/03/1970 0 Gediz, Kütahya, Turkey        1.086 7.2
28/03/1965 0 La Ligua, Chile           280 7.4
25/03/2002 cheia Hindu Kush Region, Afghanistan           150 7.4
18/03/1953 nova Yenice, Çanakkale, Turkey           265 7.2
18/03/1964 cheia Prince William Sound, Alaska, USA           125 9.2
11/03/1933 cheia Long Beach, California, USA           115 6.4
07/03/1927 nova  Kyoto  Kinki region, Japan           302 7.6
06/03/1987 0 Napo Province, Ecuador        1.000 6.9
06/03/2007 cheia Sumatra, Indonesia             67 6.4
04/03/1977 cheia Bucharest, Romania        1.500 7.5
03/03/1985 cheia Valparaiso, Chile           177 7.8
02/03/1933 0  Iwate  Tōhoku  Japan           299 8.4
27/02/2010 cheia  Maule, Chile           796 8.8
24/02/2004 nova  Gibraltar           628 6.4
24/02/2003 0 Maralbexi  Xinjiang, China           261 6.3
22/02/2005 cheia Zarand, Iran           612 6.4
21/02/1963 nova Al Marj, Al Marj District, Libya           300 5.6
13/02/2001 cheia El Salvador           315 6.6
03/02/1931 cheia Napier, New Zealand           258 7.9
01/02/1944 0 Gerede, Bolu, Turkey        3.959 7.5
26/01/2001 nova Gujarat, India     20.085 7.7
25/01/1999 0 Quindio And Risaralda, Colombia        1.185 6.2
23/01/1981 cheia Sichuan, China           150 6.8
17/01/1995 cheia Southern Hyōgo , Japan        5.502 6.9
17/01/1994 0 Reseda, Los Angeles, California, USA             72 6.7
15/01/1944 cheia San Juan, Argentina     10.000 7.8
15/01/1934 nova Bihar, India           107 8.1
14/01/1907 nova Kingston, Jamaica        1.000 6.5
13/01/2001 cheia El Salvador           944 7.7
04/01/1970 nova China     15.000 7.7
02/01/2010 nova Haiti            233 7,0
27/02/2010 cheia Chile 507 8.8
12/01/2010 nova Haiti 316.000 7.0
11/03/2011 0 Japão 20.896 9.0
06/02/2012 cheia Filipinas 113 6.7
24/09/2013 0 Paquistão 825 7.7
01/04/2014 nova Chile 7 8.2
07/07/2014 0 Mexico/Guatemala 8 7.2
03/08/2014 0 China 729 6.2
25/04/2015 0 Nepal 9.000 7.8
13/05/2015 nova Nepal 80 7.3

O último terremoto importante que atingiu a costa chilena no dia 16 de setembro, um sismo de 8.4 na Escala Richter, ocorreu em uma Lua Nova.
Já o terremoto de hoje, dia 27, que atingiu o Afeganistão e o Paquistão deixando centenas de mortos, ocorre, mais uma vez em uma lua cheia.
O estudo inédito que fizemos mostra que  65% dos terremotos com fatalidades ocorreram em luas novas e cheias
.

Com esses dados estatísticos não há como negar a influência da atração gravitacional da Lua e do Sol nos terremotos.




Autor:   Pedro Jacobi - O Portal do Geólogo

  

 


geologia geofisica vocesabia    8056
12.000 ANOS DE ABANDONO  um livro de Pedro Jacobi

Caro usuário do Portal do Geólogo
Se você gosta de descobertas arqueológicas inéditas no meio da Amazônia vai gostar do livro que estou lançando. É um não ficção sobre uma pesquisa real que estou fazendo.

Com o avanço do desmatamento e com o auxílio da filtragem digital em imagens de satélites, descobri nada menos do que 1.200 belíssimas construções milenares, no meio da Amazônia — totalmente inéditas.

São obras pré-históricas, algumas datadas em 6.000 anos, incrivelmente complexas e avançadas — as maiores obras de aquicultura da pré-história que a humanidade já viu.
Neste livro você se surpreenderá com essas construções monumentais, grandiosas e únicas, feitas por aqueles que foram os primeiros arquitetos e engenheiros do Brasil.
Trata-se de importante descoberta arqueológica que vai valorizar um povo sem nome e sem história. Um povo relegado a um plano inferior e menosprezado pela maioria dos cientistas e pesquisadores.

Dele quase nada sabemos. Qual é a sua etnia, de onde veio, quanto tempo habitou o Brasil e que língua falava são pontos a debater.
No entanto o seu legado mostra que ele era: muito mais inteligente, complexo e tecnológico que jamais poderíamos imaginar.
Foram eles que realmente descobriram e colonizaram a Amazônia e uma boa parte do Brasil.
E, misteriosamente, depois de uma vida autossustentável com milhares de anos de uma história cheia de realizações eles simplesmente desapareceram — sem deixar rastros.
Para onde foram?

Compre agora!
O livro, um eBook, só está à venda na Amazon. Aproveite o preço promocional!


Jacobi Consultoria
Minerador, quer negociar a sua área, ganhar dinheiro com a mineração, atrair sócios estrangeiros ou pesquisar os minérios em sua área? Por que esperar mais?

Só para você: veja as matérias que selecionamos sobre o assunto:

As vítimas do Círculo de Fogo do Pacífico 18/4

Profeta do apocalipse prevê terremoto que irá mudar os Estados Unidos em 48 horas 11/12

O desastre da Samarco: mentiras, verdades e consequências 17/11

O desastre da Samarco e os grandes rompimentos de barragens da história 12/11

Tsunami deve chegar a costa chilena depois de terremoto de 8.4 16/9

Sismo de magnitude 4.0 acorda habitantes da Baia de S. Francisco 18/8

Terremoto da Malásia mata e muda a topografia do Monte Kinabalu 6/6

Profecia: terremoto de 9.8 vai destruir Los Angeles e S. Francisco  27/5

Forte terremoto afeta o Nepal e a Índia: mais de 70 mortes 12/5

Alarme de tsunami devido a terremoto de 7.2 na Nova Guiné 7/5

A geologia por trás do terremoto do Nepal 27/4

Terremoto de magnitude 7,9 no Nepal mata mais de mil pessoas 25/4

Época do equinócio, época de terremoto... 21/3

USGS diz que a possibilidade de um grande terremoto na Califórnia está maior do que nunca 15/3

O Portal do Geólogo

Geologia e Mineração contadas por quem entende

Desde 27/3/2003

Não entendeu a palavra?

Pesquise o termo técnico!




Pesquise no universo do Portal do Geólogo!

Digite uma palavra na caixa abaixo e estará pesquisando centenas de milhares de matérias armazenadas no nosso site.

 

 

palavra com mais de 2 letras
O Portal do Geólogo    Editor: Geólogo Pedro Jacobi