O Portal do Geólogo
18/11/2019 21:59:04

A geologia e o terrorismo brutal do Estado Islâmico



Publicado em: 16/11/2015 18:44:00

Quando um país entra em guerra é facílimo avaliar o seu sucesso ou insucesso futuro. É só avaliar as suas finanças .

Não há guerra, terrorismo ou qualquer esforço bélico sem um gigantesco investimento em armamentos, logística, treinamentos etc...

Foi a falta de recursos que, em menos de 45 dias, colocou a Argentina de joelhos na Guerra das Malvinas. Em poucas semanas a Argentina estava quebrada e seus soldados, sem alimentos e roupas adequadas, se entregaram sem lutar, no frio cortante das Ilhas Falklands.

Não é barato guerrear.

Como então é possível que o exército do Estado Islâmico (ISIS) conquiste territórios na Síria e no Iraque ao mesmo tempo em que arma, treina milhares de soldados e ataca vários alvos na Europa, Síria, Iraque e no Curdistão?

Como é possível que isso ocorra mesmo quando são bombardeados, diariamente, pelas grandes potências mundiais?

A resposta está, principalmente, na geologia da área conquistada pelo ISIS.

Isso mesmo!

O Estado Islâmico sobrevive, principalmente, através da venda de petróleo das regiões controladas.

As extorsões, os roubos, sequestros e crimes, cometidos incessantemente pelo ISIS não passam de adicionais no cenário econômico deste grupo terrorista.

O ISIS conseguiu o impensável no mundo atual: levantar grandes somas de dinheiro e financiar um esforço de guerra sem ser contido pela poderosa máquina americana.

Este gigantesco fluxo financeiro financia o ISIS e quase não aparece nos radares das potências que tentam, sem sucesso, combatê-lo.

Os números são simplesmente gigantescos. Além da compra de armamentos, suprimentos, logística e manutenção de um exército de milhares ainda existem mais de 8 milhões de pessoas dentro dos territórios ocupados pelo ISIS que são, bem ou mal, mantidas pelo Exército Islâmico. Uma população cativa que é, na realidade, fonte de receita já que quase todos os seus bens e ativos foram apreendidos pelo ISIS.

Daí a geração do maior fluxo migratório da idade moderna.

Faça as contas...

A conclusão é óbvia: o ISIS está nadando em dinheiro e não mostra sinais de desacelerar.

Segundo o Tesouro Americano o Estado Islâmico, a organização terrorista mais bem financiada do mundo, está por trás de contrabandos e de uma gama de crimes variados que ocorrem em um submundo quase invisível ao sistema financeiro tradicional. Eles movimentam mais de US$6 milhões ao dia, dinheiro cash, segundo o serviço de inteligência do Curdistão.

Enquanto publicavam filmes bárbaros, mostrando a destruição do patrimônio da humanidade, o ISIS, disfarçadamente, vende grande parte dos objetos de arte que pretensamente foram destruídos.

Somente em 2013 as doações dos países do Golfo Pérsico, para fortalecer o ISIS e destronar Bashar Assad, foram oficialmente criminalizadas.

Desde então o ISIS vem sendo, oficialmente, execrado, mas continua, aparentemente, incólume e bem financiado.

A grande fonte do financiamento do ISIS é o petróleo roubado dos campos do Iraque e da Síria ou ofertado por simpatizantes com origem na Arábia Saudita, Kuwait e Catar.

O império de petróleo do ISIS se estende por uma área do tamanho do Reino Unido. Nesta área o Estado Islâmico controla mais de 300 poços de petróleo.

No pico o ISIS operou 350 poços de petróleo, somente no Iraque, cuja produção atual é de aproximadamente 3.000.000 de barris de óleo ao dia, um pouco maior do que a produção do Brasil.

Na Síria o ISIS controla 60% de toda a capacidade produtiva do país que era de 385.000 barris por dia, antes da guerra.

O interessante é que o ISIS controla, também, refinarias, que todo mundo conhece, mas que não são atacadas pela coalizão ocidental...

Como é possível que o sistema financeiro mundial ainda permita o fluxo de dinheiro que rega as contas do ISIS e que financia os atentados terroristas como o de 13 de novembro em Paris?

Segundo o Brookings Institute o Governo Americano sabe muito bem sobre este fluxo e sobre o nome dos compradores do petróleo desviado, mas pouco pode fazer.

Será?

Ou a verdade é bem diferente do que nos deixam saber?




Autor:   Pedro Jacobi - O Portal do Geólogo

  

 


energia mercados geologia polemicos    5164
12.000 ANOS DE ABANDONO  um livro de Pedro Jacobi

Caro usuário do Portal do Geólogo
Se você gosta de descobertas arqueológicas inéditas no meio da Amazônia vai gostar do livro que estou lançando. É um não ficção sobre uma pesquisa real que estou fazendo.

Com o avanço do desmatamento e com o auxílio da filtragem digital em imagens de satélites, descobri nada menos do que 1.200 belíssimas construções milenares, no meio da Amazônia — totalmente inéditas.

São obras pré-históricas, algumas datadas em 6.000 anos, incrivelmente complexas e avançadas — as maiores obras de aquicultura da pré-história que a humanidade já viu.
Neste livro você se surpreenderá com essas construções monumentais, grandiosas e únicas, feitas por aqueles que foram os primeiros arquitetos e engenheiros do Brasil.
Trata-se de importante descoberta arqueológica que vai valorizar um povo sem nome e sem história. Um povo relegado a um plano inferior e menosprezado pela maioria dos cientistas e pesquisadores.

Dele quase nada sabemos. Qual é a sua etnia, de onde veio, quanto tempo habitou o Brasil e que língua falava são pontos a debater.
No entanto o seu legado mostra que ele era: muito mais inteligente, complexo e tecnológico que jamais poderíamos imaginar.
Foram eles que realmente descobriram e colonizaram a Amazônia e uma boa parte do Brasil.
E, misteriosamente, depois de uma vida autossustentável com milhares de anos de uma história cheia de realizações eles simplesmente desapareceram — sem deixar rastros.
Para onde foram?

Compre agora!
O livro, um eBook, só está à venda na Amazon. Aproveite o preço promocional!


Jacobi Consultoria
Minerador, quer negociar a sua área, ganhar dinheiro com a mineração, atrair sócios estrangeiros ou pesquisar os minérios em sua área? Por que esperar mais?

Só para você: veja as matérias que selecionamos sobre o assunto:

Trump pode ser o catalizador de um novo boom na mineração 10/11

Mineração: em quem apostar as fichas? 22/6

Sauditas preparam uma saída para a armadilha do petróleo 25/4

Commodities em alta conspiram a favor da mineração 20/4

Mercados mundiais reagem à subida dos preços das commodities: mineradoras decolam 13/4

Petrobras é obrigada a dar baixa em campos de petróleo e tem o pior ano de sua história 22/3

Alta generalizada atinge o barril de petróleo, o minério de ferro e o cobre. É hora de comprar? 3/8

Petrobras vai paralisar sondas em seis estados 23/2

Ibovespa sobe mais de 3% com notícias da China e da Lava Jato 22/2

Confirmado: meteorito matou o motorista indiano 15/2

Petrobras vale 4,3 vezes menos do que a Ambev 11/2

Ações das grandes petroleiras em alta. Aqui no Brasil a Petrobras, uma penny stock, cai mais de 5% 26/1

Petrobras: agonia e dor 20/1

Petróleo em queda: quem ganha e quem perde? 18/1

O Portal do Geólogo

Geologia e Mineração contadas por quem entende

Desde 27/3/2003

Não entendeu a palavra?

Pesquise o termo técnico!




Pesquise no universo do Portal do Geólogo!

Digite uma palavra na caixa abaixo e estará pesquisando centenas de milhares de matérias armazenadas no nosso site.

 

 

palavra com mais de 2 letras
O Portal do Geólogo    Editor: Geólogo Pedro Jacobi