O Portal do Geólogo
22/9/2019 17:38:09

A corrupção e o empresário brasileiro. Valeu a pena?



Publicado em: 24/5/2016 17:56:00

Todo o empresário brasileiro honesto sabe que na vida de qualquer projeto bem sucedido vai existir um momento em que um político ou um funcionário público, ligado a grupos políticos, vai aparecer e achacar.

Infelizmente essa é uma máxima de um Brasil completamente exposto a uma corrupção endêmica. É assim na mineração ou em qualquer outro setor da economia nacional.

Apesar do foco da mídia estar hoje concentrado nas estatais, onde nada se resolve sem a propina e a benção das quadrilhas que tudo controlam, a mesma corrupção grassa em todos os cantos e em todos os segmentos da economia.

Basta existir dinheiro e um processo em andamento que, como do nada, atraídos pelo ganho fácil, surgem os ratos.

Tudo começa com um processo emperrado em algum lugar da máquina pública. Depois, sub-repticiamente, vem o achaque, a mordida e a propina. Se você não ceder, assim como a maioria dos empresários que eu conheço, você vai continuar a dormir bem, mas todo o processo vai se tornar lento, penoso e, muitas vezes, impraticável.

A maioria dos empresários não foi corrompida, mas milhares tiveram que fechar as portas. As estatísticas são duras e desanimadoras neste país corrupto até os ossos.

Mas, se você é daqueles que aceita “flexibilizar” os seus conceitos éticos e morais, jogando no lixo a cidadania e a honestidade, assim como fizeram as grandes empreiteiras que hoje respondem na Lava Jato, então tudo estará (aparentemente) resolvido.

As concorrências serão ganhas e o dinheiro irá fluir aos borbotões.

Você, o empresário corrupto, estará vivendo em um mundo utópico, sem concorrências, amparado por batalhões de políticos, advogados e até juízes.

Basta destinar entre 3 a 20% de seus ganhos, obviamente superestimados, para as quadrilhas de sanguessugas, partidos, políticos e agregados, que tudo estará solucionado.

É dinheiro sujo, mas fácil, o verdadeiro Eldorado Brasileiro! A mola que propulsionou as maiores empresas do país nas últimas décadas.

A Odebrecht, por exemplo, recebeu do BNDES, entre 2007 e o início de 2015, graças aos “contatos” escusos nas altas esferas (para muitos investigadores graças às propinas pagas ao Lula), cerca de 70% de todo recurso destinado a obras de empresas brasileiras no exterior.

Dos R$ 12 bilhões emprestados pelo banco com essa finalidade, R$ 8,2 bilhões foram para o grupo Odebrecht.

Em um país gigantesco como o Brasil essa concentração de “benesses” só pode significar uma coisa: corrupção.

E não estamos nem falando da roubalheira da Petrobras, ou da área da energia, das refinarias e hidroelétricas onde a referida empreiteira também se locupletou e onde os números associados às concorrências ilícitas são astronômicos, superando centenas de bilhões de dólares.

Muitos empresários caíram na tentação e participaram deste esquema criminoso que parecia estar acima da lei. Afinal, foram décadas de impunidade onde centenas de bilhões de reais foram distribuídos para pouquíssimos players.

Uma vergonha que ficará gravada na história deste país. Um país que seria absolutamente melhor se o dinheiro da corrupção tivesse sido destinado aos seus cidadãos.

Mas, como em toda a história de bandidagem, sempre existe um momento em que o crime deixa de compensar.

E os primeiros sinais de anormalidade aconteceram quando estes empresários criminosos perceberam a chegada de um grande número de “novos sócios” que se multiplicaram ao longo dos anos, a medida que o dinheiro fluía.

A partir deste momento, o empresário preso na teia da corrupção, passa a ser controlado pelas hordas de políticos e de burocratas, criminosos de todos os tamanhos: os seus novos donos.

Isso mesmo! Este é um dos efeitos colaterais da corrupção, que se torna mais evidente agora, que muitos empreiteiros pervertidos choram no colo de Sérgio Moro ou nas celas de Curitiba enquanto fazem os seus acordos de leniência.

Não existia o lanche grátis!

Aqueles que saqueavam as empresas e instituições brasileiras por décadas se tornam alvos do mesmo esquema criminoso que alimentaram.

A volta à realidade está sendo atroz.

A Mendes Junior, uma das grandes empreiteiras do Brasil, está em recuperação judicial, sem obras, com um imenso passivo e um pátio repleto de equipamentos em processo de deterioração.

A Odebrecht, que financiou 314 políticos de 24 partidos, já perdeu mais de 5 bilhões de dólares e vai perder muito mais enquanto vende seus ativos de grande liquidez.

Até a Petrobras, no seu justo direito, pretende receber mais de um bilhão de reais das empreiteiras que um dia a saquearam. A mesma Petrobras que até pouco tempo atrás, tapou os olhos à corrupção interna que era facilmente identificável...

Os desdobramentos atingem as próprias saqueadas como a Petrobras, a Eletrobras e seus executivos que serão, eventualmente, punidos por crimes de responsabilidade, faltas de transparência, de compliance, gestão fraudulenta e por não divulgarem a corrupção que destruía as finanças das empresas.

Mas, como sempre, o maior atingido é o povo, o cidadão desprotegido, pois as grandes empresas vão sobreviver e continuar grandes, mesmo na desgraça.

A corrupção e a má gestão de um governo que se lambuzava no dinheiro de propinas destruiu empresas, a infraestrutura do país, a saúde, o emprego e as perspectivas futuras de centenas de milhões de pessoas.

Muitos morrem nas filas dos hospitais que se tornaram casa de horrores e dezenas de milhões estão sem emprego, sem perspectivas, a espera de um milagre.

Valeu a pena?




Autor:   Pedro Jacobi - O Portal do Geólogo

  

 


editoriais mercados polemicos minex    39719
12.000 ANOS DE ABANDONO  um livro de Pedro Jacobi

Caro usuário do Portal do Geólogo
Se você gosta de descobertas arqueológicas inéditas no meio da Amazônia vai gostar do livro que estou lançando. É um não ficção sobre uma pesquisa real que estou fazendo.

Com o avanço do desmatamento e com o auxílio da filtragem digital em imagens de satélites, descobri nada menos do que 1.200 belíssimas construções milenares, no meio da Amazônia — totalmente inéditas.

São obras pré-históricas, algumas datadas em 6.000 anos, incrivelmente complexas e avançadas — as maiores obras de aquicultura da pré-história que a humanidade já viu.
Neste livro você se surpreenderá com essas construções monumentais, grandiosas e únicas, feitas por aqueles que foram os primeiros arquitetos e engenheiros do Brasil.
Trata-se de importante descoberta arqueológica que vai valorizar um povo sem nome e sem história. Um povo relegado a um plano inferior e menosprezado pela maioria dos cientistas e pesquisadores.

Dele quase nada sabemos. Qual é a sua etnia, de onde veio, quanto tempo habitou o Brasil e que língua falava são pontos a debater.
No entanto o seu legado mostra que ele era: muito mais inteligente, complexo e tecnológico que jamais poderíamos imaginar.
Foram eles que realmente descobriram e colonizaram a Amazônia e uma boa parte do Brasil.
E, misteriosamente, depois de uma vida autossustentável com milhares de anos de uma história cheia de realizações eles simplesmente desapareceram — sem deixar rastros.
Para onde foram?

Compre agora!
O livro, um eBook, só está à venda na Amazon. Aproveite o preço promocional!


Jacobi Consultoria
Minerador, quer negociar a sua área, ganhar dinheiro com a mineração, atrair sócios estrangeiros ou pesquisar os minérios em sua área? Por que esperar mais?

Só para você: veja as matérias que selecionamos sobre o assunto:

Mineração: as melhores apostas de 2016 20/1

A ameaça de Pasadena: a vez e a hora de Dilma Roussef 20/11

Trump pode ser o catalizador de um novo boom na mineração 10/11

Efeito Trump: Minério de ferro em alta recorde 11/10

Mineração & Brasil: o país do futuro? 29/9

Mineração: adicionar valor ou morrer tentando... 3/9

Conselhos ao geólogo recém-formado 8/9

Filipinas em guerra pelo meio ambiente 1/8

Mineração: quem vai tapar os buracos amanhã? 22/7

Brazil Resources supera 480% no ano: analistas apostam em 1.900% ainda em 2016 18/7

Mini Era Glacial? O que esperar do futuro próximo 7/1

Mineração: em quem apostar as fichas? 22/6

Exploração espacial: a nave asteroide 7/6

Minério de ferro: economia em alta faz mineradoras americanas reabrirem antigas minas 31/5

O Portal do Geólogo

Geologia e Mineração contadas por quem entende

Desde 27/3/2003

Não entendeu a palavra?

Pesquise o termo técnico!




Pesquise no universo do Portal do Geólogo!

Digite uma palavra na caixa abaixo e estará pesquisando centenas de milhares de matérias armazenadas no nosso site.

 

 

palavra com mais de 2 letras
O Portal do Geólogo    Editor: Geólogo Pedro Jacobi