O Portal do Geólogo
12/11/2019 06:05:40

Água: o exagero e o alarmismo atingem a mídia



Publicado em: 18/6/2015 16:40:00

Deu hoje no caderno de Ciência e Tecnologia do Jornal do Brasil que a “Nasa afirma que mundo poderá ficar sem água no futuro”.

Fiquei só imaginando o que o cidadão comum pensa ao ler essas notícias alarmistas em um caderno de “Ciência e Tecnologia”.

Um mundo sem água em um “futuro não tão distante”, garante o JB.

A notícia seria hilariante se não tivesse implicações tão sérias e se não semeasse o pânico na população e até nos políticos mal preparados que são.

Na pesquisa que evidentemente fiz, passei pelo The Washington Post, que já veicula uma matéria muito mais bem embasada e sem o alarmismo imbecilizante do Jornal do Brasil e, finalmente, cheguei na origem, um artigo publicado na NASA News: Third of Big Groundwater Basins in Distress.

O título diz claramente que 1/3 dos grandes aquíferos está diminuindo e nas conclusões que isso ocorre graças ao consumo humano.

Os autores , da Universidade da Califórnia, fizeram um estudo altamente preliminar, em base aos dados coletados pelos satélites GRACE (Gravity Recovery And Climate Experiment ) da NASA. Estes satélites medem variações e anomalias no campo gravitacional da Terra algumas vezes causadas por massas d´água.

A missão foi lançada em 2002 e estuda a distribuição de massa do planeta.

Os mapas gerados (veja imagem) estão sendo usados por oceanógrafos, geólogos e glaciólogos.

A precisão dos dados é bastante debatida, assim como a interpretação destes.

Segundo O GRACE o nível dos oceanos está subindo, graças ao degelo das calotas polares, 0,9mm por ano. Ou seja, em 100 anos o nível dos oceanos subirá 90 milímetros. Este número não bate com os números da ONU onde os oceanos subirão 890 milímetros em 100 anos.

O motivo das discrepâncias é devido à complexidade dos modelos matemáticos e geológicos.

No caso da quantidade de água em bacias sedimentares, que é o estudo publicado pela NASA, a complexidade e o nível de inferência é muito maior ainda, o que irá gerar grandes erros.

Aquíferos estudados


No texto os autores concordam que os dados químicos e físicos são “ simplesmente insuficientes” , mas mesmo assim publicaram o estudo alarmista.

Um estudo, aliás, que começa pecando na sua conclusão (1/3 dos aquíferos estão diminuindo graças ao consumo humano).

O estudo peca, também pela falta de representatividade dos aquíferos estudados.

O mapa acima mostra a localização dos aquíferos. As cores indicam o nível em que esses aquíferos estão perdendo água. Ou seja: segundo o mapa está saindo mais água do que está entrando em um grande número de aquíferos.

Um bom exemplo da falta de representatividade é visto no mapa do Brasil onde só existem três grandes aquíferos mapeados pela NASA: Bacia do Amazonas, Bacia do Maranhão e Bacia do Paraná (aquífero Guarani).

A verdade geológica é que mais de 60% da área do Brasil está coberta por coberturas sedimentares que geram excelentes aquíferos (veja o mapa) e que foram “esquecidas” no estudo.

Principais bacias sedimentares brasileiras

O estudo simplesmente desconsiderou imensas bacias sedimentares como Parecis: 500.000 km2, S. Francisco 350.000 km2, Recôncavo 11.500 km2, Tucano 30.500 km2, Jatobá 5.000 km2, Camamu 2.000 km2, Pernambuco-Paraíba 8.000 km2, Potiguar 22.500 km2 e Ceará com 34.000 km2.

Um estudo que desconsidera “apenas” um milhão de quilômetros quadrados de importantes aquíferos, só no Brasil, não pode ser considerado muito sério.

A Bacia do Amazonas, por exemplo, jamais poderia sofrer exaustão por influência do Homem, pois as chuvas amazônicas são gigantescas e a região é quase que totalmente despovoada.

Já a conclusão de que o Aquífero Guarani, com 1.200.000 km2 de área e um volume de água simplesmente imenso, está tendo o seu volume de água reduzido por influência humana é simplesmente absurda.

O uso de água subterrânea do aquífero ainda é incipiente e ocorre principalmente em algumas regiões do Estado de S. Paulo, em áreas relativamente pequenas em Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Araçatuba, Presidente Prudente, Marília e Bauru.

Estudos preliminares em algumas dessas áreas mostram que, em alguns casos, o nível do aquífero está baixando.

O uso da água do Guarani é mínimo quando comparado com o volume total do aquífero.

A redução local do nível é um assunto sério e não pode ser desmerecido, mas extrapolar o que ocorre nestas áreas, para os 1.200.000 quilômetros quadrados do Guarani, é a mais absurda inferência.

Outra inferência grosseira do estudo é usar aquíferos localizados em regiões desérticas, sem precipitação pluviométrica significativa, para o estudo.

Muitos aquíferos estudados estão localizados na região do Saara, no norte da África.

É óbvio que nestas regiões, totalmente despovoadas, sem chuvas, qualquer diminuição do nível dos aquíferos não pode ser atribuída à população local que ainda usa a água dos raros oásis.

O mesmo ocorre na Austrália, na Arábia e na Sibéria, regiões despovoadas onde a população não pode ser culpada da redução de aquíferos gigantescos.

Quando comparamos a localização dos aquíferos estudados com a densidade demográfica (mapa abaixo) fica claro que a conclusão dos referidos “cientistas” é muito pouco embasada.
Densidade Demográfica Globo

É óbvio que existem várias regiões, como a Califórnia, onde a água subterrânea está sendo extraída em imensos volumes para uso humano, reduzindo significativamente os volumes dos aquíferos.

Mesmo assim os pesquisadores concedem que não sabem, com precisão, sobre os volumes de água, que podem variar imensamente. Apesar disto eles preferem soar o alarme hoje, para proteger o futuro da água amanhã.

Ou seja, o estudo, tido como um dogma pela mídia desinformada, não passa de uma alavancagem, um “whistleblower”, para colocar os holofotes sobre um possível problema futuro.

Para ilustrar o nível de erro do estudo, o cálculo para a exaustão de um aquífero do Nordeste do Saara varia, segundo os pesquisadores, entre 10 anos a 21.000 anos...

Este é o nível de precisão que eles trabalham.

E, para terminar, em nenhum lugar do trabalho eles dizem que “mundo poderá ficar sem água no futuro “ como a manchete do JB alardeia.

Mesmo porque a Terra é um sistema fechado onde a água muda de estado e de lugar, mas o volume total vai continuar o mesmo ao longo dos próximos milhões de anos.




Autor:   Pedro Jacobi - O Portal do Geólogo

  

 


agua editoriais polemicos geoambiente    5734
12.000 ANOS DE ABANDONO  um livro de Pedro Jacobi

Caro usuário do Portal do Geólogo
Se você gosta de descobertas arqueológicas inéditas no meio da Amazônia vai gostar do livro que estou lançando. É um não ficção sobre uma pesquisa real que estou fazendo.

Com o avanço do desmatamento e com o auxílio da filtragem digital em imagens de satélites, descobri nada menos do que 1.200 belíssimas construções milenares, no meio da Amazônia — totalmente inéditas.

São obras pré-históricas, algumas datadas em 6.000 anos, incrivelmente complexas e avançadas — as maiores obras de aquicultura da pré-história que a humanidade já viu.
Neste livro você se surpreenderá com essas construções monumentais, grandiosas e únicas, feitas por aqueles que foram os primeiros arquitetos e engenheiros do Brasil.
Trata-se de importante descoberta arqueológica que vai valorizar um povo sem nome e sem história. Um povo relegado a um plano inferior e menosprezado pela maioria dos cientistas e pesquisadores.

Dele quase nada sabemos. Qual é a sua etnia, de onde veio, quanto tempo habitou o Brasil e que língua falava são pontos a debater.
No entanto o seu legado mostra que ele era: muito mais inteligente, complexo e tecnológico que jamais poderíamos imaginar.
Foram eles que realmente descobriram e colonizaram a Amazônia e uma boa parte do Brasil.
E, misteriosamente, depois de uma vida autossustentável com milhares de anos de uma história cheia de realizações eles simplesmente desapareceram — sem deixar rastros.
Para onde foram?

Compre agora!
O livro, um eBook, só está à venda na Amazon. Aproveite o preço promocional!


Jacobi Consultoria
Minerador, quer negociar a sua área, ganhar dinheiro com a mineração, atrair sócios estrangeiros ou pesquisar os minérios em sua área? Por que esperar mais?

Só para você: veja as matérias que selecionamos sobre o assunto:

Corrida para a mineração espacial perde um ponto, mas prospecção mineral terrestre ganha dois 6/1

Simandou: uma ameaça real ao domínio da Vale? 18/5

Frank o caçador de meteoritos 5/3

O Mercado contra Dilma 4/1

Samarco: a hora das responsabilidades 14/1

Iniciativa privada a um passo do Hélio-3 5/1

A lama da Samarco e o futuro do Rio Doce 26/11

Brasil: a hipocrisia e o descaso pelo meio ambiente 24/11

Mais um gigantesco depósito de ouro descoberto na China 24/11

O desastre da Samarco: mentiras, verdades e consequências 17/11

Desastre da Samarco: a lama analisada em Baixo Guandu está contaminada por arsênio 14/11

O desastre da Samarco e os grandes rompimentos de barragens da história 12/11

O desastre da Samarco e os prejuízos iminentes à Vale e BHP 11/11

Desastre da Samarco: onde estavam as sirenes? 10/11

O Portal do Geólogo

Geologia e Mineração contadas por quem entende

Desde 27/3/2003

Não entendeu a palavra?

Pesquise o termo técnico!




Pesquise no universo do Portal do Geólogo!

Digite uma palavra na caixa abaixo e estará pesquisando centenas de milhares de matérias armazenadas no nosso site.

 

 

palavra com mais de 2 letras
O Portal do Geólogo    Editor: Geólogo Pedro Jacobi